A Análise do Comportamento Aplicada tem sido utilizada na clínica psicológica com objetivos de intervenção e prevenção. A psicoterapia, nesta abordagem, é essencialmente voltada para objetivos tangíveis, acordados entre terapeuta e cliente já nas primeiras sessões. Procura-se em todos os casos identificar as variáveis responsáveis pelas queixas apresentadas e quais os comportamentos-alvo para intervenção, pensando na aquisição de novos repertórios de comportamentos que possam ser mais adaptativos ao contexto de vida do cliente. Por essa razão, na maior parte das situações em que há uma real motivação por parte dos envolvidos, os resultados são obtidos em poucas sessões. Os atendimentos em geral são realizados individualmente, mas há programas específicos para desenvolvimento de novos comportamentos que podem ser realizados em grupos. Além dos atendimentos particulares, o INTERAC oferece triagem para atendimentos a preços simbólicos, com o objetivo de favorecer a população carente, que são realizados pelos psicólogos que estão cursando o Aperfeiçoamento em Análise do Comportamento aplicada à Clínica.

“Você não pode impor felicidade. Você não pode em última instância, impor coisa alguma. Nós não usamos a força! Tudo que precisamos é engenharia comportamental adequada.” (Skinner, 1948, p.149)

Cada período da vida possui seus desafios, e a infância, embora possa parecer a melhor fase traz consigo a complexa tarefa de aprender como funciona o mundo no qual vivemos. A criança se desenvolve a partir do contato com o ambiente e com as pessoas que nele convivem. Muitas vezes os pais encontram dificuldade para cumprir seu papel de educadores e facilitadores do desenvolvimento de seus filhos e, para isso, podem contar com o apoio de profissionais especializados. No INTERAC oferecemos atendimento para as mais diversas queixas do comportamento infantil, tais como:

  •  Agressividade/impulsividade
  • Dificuldades em aceitar limites
  • Déficits em Habilidades Sociais
  • Desenvolvimento Atípico
  • Fobias
  • Depressão
  • Ansiedade generalizada
  • Transtornos alimentares
  • Timidez/Isolamento Social
  • Enurese/encoprese
  • Transtorno Obsessivo Compulsivo
  • Transtornos do Espectro Autista

Oferecemos ainda a ORIENTAÇÃO DE PAIS, que são encontros em grupo ou individualmente, para pais e familiares de crianças em determinadas faixas etárias, com o objetivo de orientar e dar suporte àqueles com dificuldades na educação dos filhos. Para maiores informações, entre em contato por e-mail ou telefone.

 Profissionais que oferecem esses serviços:

Cristiane Oliveira

Fabíola Alvares Garcia Serpa

Fernanda Cardoso Fraga Fonseca

Juliana Cristina de Carvalho Giolo

Karen Morais

Luciana Lorenzi Corato

Tania Marizete Alves da Silva

“Os homens agem sobre o mundo e o modificam e, por sua vez, são modificados pelas consequências de sua ação.” (Skinner, 1957, p.1)

A adolescência, fase da vida muitas vezes turbulenta, marcada pelas mudanças biopsicossociais e emocionais, próprias do amadurecimento, pode ser um momento em que uma ajuda profissional especializada seja necessária. Os psicólogos do INTERAC oferecem atendimentos eficientes para queixas como:

  • Conflitos com os pais
  • Déficits em Habilidades Sociais
  • Dificuldade nas relações de amizade
  • Dúvidas quanto à escolha profissional
  • Sexualidade
  • Abuso de álcool e outras drogas

Embora todos nós estejamos expostos aos fatores acima em uma determinada fase da vida, o que vai definir o quanto cada situação se tornará um problema é o grau de ajustamento pessoal de cada um, que depende fortemente do sistema familiar e do histórico de vida. Um processo de psicoterapia para adolescentes procura auxiliar neste processo de ajustamento, ensinando o cliente a analisar as circunstâncias de sua vida, compreendendo as consequências de suas ações a curto, médio e longo prazo. Além disso, busca-se o estabelecimento de um projeto de vida pessoal, ensinando como exercer o autocontrole nas mais variadas situações, a fim de atingir seus objetivos. Para maiores informações, entre em contato por telefone ou e-mail.

Profissionais que atendem adolescentes:

Christiane Laino

Cristiane Oliveira

Fábio Sérgio do Amaral

Fabíola Alvares Garcia Serpa

Fernanda Cardoso Fraga Fonseca

Janice Drapala Fachini

Juliana Cristina de Carvalho Giolo

Karen Morais

Luciana Lorenzi Corato

Rosana Oliveira

Tania Marizete Alves da Silva

Thais Vilela dos Reis

Edilaine dos Santos

Erika Ramos

Tatiana Almeida

Fabiana Bertoni Zerbinatti

Lígia Stati

“O auto-conhecimento tem um valor especial para o próprio indivíduo. Uma pessoa que se ‘tornou consciente de si mesma’, por meio de perguntas que lhe foram feitas, está em melhor posição de prever e controlar seu próprio comportamento.” (Skinner, 1974, p.31)

Por que fazer psicoterapia? 

A resposta para essa pergunta se encontra na avaliação que fazemos de nossa qualidade de vida e na idéia que temos sobre para que serve a psicoterapia. Sob a ótica da Análise do Comportamento, fazer psicoterapia é submeter a própria vida, o próprio comportar-se, a um tipo de consultoria externa especializada. Em outras palavras, o terapeuta utiliza de referencial teórico específico – a ciência do comportamento – para analisar fatos da vida do cliente que estão relacionados com as suas queixas. Essa análise é funcional, no sentido em que, provavelmente, o que está presente hoje na vida do cliente exerce alguma função específica, por essa razão, continua a existir e por isso talvez o cliente sozinho ainda não tenha conseguido solucionar a questão e necessite de um especialista. Todo o processo da terapia comportamental (ou cognitiva) é dialogado, a participação do cliente deve ser ativa,  o que é essencial para que se atinja bons resultados. Por essa razão preferimos adotar a palavra “cliente” ao invés de “paciente”, pois esperamos uma postura atuante, motivada e não passiva.

Os psicoterapeutas comportamentais/cognitivos dispõem também de um repertório de técnicas para o tratamento de queixas específicas, tais como:

  •  Fobias
  • Depressão
  • Déficits em Habilidades Sociais
  • Transtornos de Ansiedade
  • TDAH
  • TOC
  • Transtornos Alimentares
  • Transtornos Sexuais e outros

“Os homens são felizes em um meio ambiente no qual o comportamento ativo, produtivo, e criativo é reforçado de forma efetiva.” (Skinner, 1969, p.64)

O relacionamento entre duas pessoas envolve administrar diferenças, escolher entre expressar e controlar sentimentos, colocar-se na perspectiva do outro, cooperar, lidar com críticas, tolerar frustrações, adiar recompensas, enfim, muitos comportamentos e habilidades que podem estar ausentes e necessitam de aprendizagem. Para essa finalidade, o INTERAC oferece sessões de terapia de casal, que têm por objetivo prevenir e intervir em situações de conflitos conjugais, orientando e instrumentalizando os cônjuges para que possam analisar as insatisfações do relacionamento e juntos encontrarem novas formas de se relacionar. Para maiores informações, entre em contato por telefone ou e-mail.

 Profissionais que atendem casais:

Christiane Laino

Cláudia Filgueira

Cristiane Oliveira

Fábio Sérgio do Amaral

Fabíola Alvares Garcia Serpa

Janice Drapala Fachini

Juliana Cristina de Carvalho Giolo

Karen Morais

Valdemir Polidorio Eusébio

“Como as pessoas se sentem é, geralmente, tão importante quanto o que elas fazem.” (Skinner, 1989, p.3)

A família é um sistema produtor das primeiras experiências dos filhos com a vida e cenário dos principais modelos de interação que farão parte dos repertórios de seus membros. Ao mesmo tempo em que pode ser o porto seguro, também pode, em muitos casos, se tornar um ambiente opressor, onde falta compreensão, afeto e diálogo. Cada família apresenta sua dinâmica própria de funcionamento e carrega consigo necessidades às vezes incompatíveis e interesses divergentes que inevitavelmente se transformam em conflitos para os seus componentes e exige de todos um novo modo de atuação para que o desenvolvimento de cada um se torne possível neste contexto. Em casos assim, a ajuda de um profissional especializado pode ser muito eficaz.

O INTERAC oferece atendimento familiar em consultório e ainda em casos especiais, o serviço de HOME ANALYSIS, para situações em que as interações entre pais e filhos ou entre os cônjuges são conflituosas ou há dificuldades em perceber como essas interações se tornam problemáticas. Neste tipo de serviço, uma dupla de profissionais dedica-se a estudar detalhadamente as ocasiões em que ocorrem os comportamentos que se deseja modificar e as estratégias para intervenção. Este serviço pode envolver a instalação de câmeras na residência familiar, que durante alguns dias registrarão as interações naturais dos participantes. As análises decorrentes do estudo desse material serão discutidas com os pais (ou cônjuges) e serão propostos, então, procedimentos voltados para a modificação do padrão de interação e consequente resolução dos problemas. Para maiores informações, entre em contato por telefone ou e-mail.

Profissionais que atendem famílias:

Cláudia Filgueira

Cristiane Oliveira

Fábio Sérgio do Amaral

Fabíola Alvares Garcia Serpa

Janice Drapala Fachini

Juliana Cristina de Carvalho Giolo

Karen Morais

Valdemir Polidoro Eusébio

A terapia comportamental tem tido sua eficiência reconhecida no tratamento de questões relacionadas ao diagnóstico do Transtorno Obsessivo Compulsivo – TOC). “As obsessões são idéias, imagens ou pensamentos intrusivos e repetitivos que produzem ansiedade e desconforto para o indivíduo. As compulsões, por sua vez, são respostas repetitivas e/ou estereotipadas emitidas para prevenir ou eliminar as obsessões e/ou ansiedade” (Vermes e Zamignani, 2002, p.137).

Os profissionais do INTERAC utilizam nestes casos a técnica de Exposição com Prevenção de Resposta (EPR), sem deixar de lado a análise funcional dos comportamentos nos quais o cliente se engaja, identificando as contingências que atuam na manutenção dos problemas. A partir dessa análise são programados novos comportamentos a serem aprendidos, que poderão substituir com eficiência aqueles comportamentos que se pretende evitar. Quase sempre é necessário que a família participe ativamente do processo de terapia. Para maiores informações, entre em contato por telefone ou e-mail.

Profissionais que oferecem esse serviço:

Christiane Laino

Fábio Sérgio do Amaral

Fabíola Alvares Garcia Serpa

Fernanda Cardoso Fraga

Janice Fachini

Karen Morais da Silva

Valdemir Polidoro Eusébio

O que é o Transtorno do Espectro do Autismo?

O Transtorno do Espectro do Autismo (TEA) é caracterizado por alterações no desenvolvimento que estão presentes desde a infância, podendo a criança manifestá-lo quando muito pequena ou já maior quando o ambiente exigir habilidades mais complexas, como a interação social, por exemplo. Indivíduos com TEA apresentam prejuízos que os comprometem em pelo menos duas áreas:

1) Comunicação e interação social e 2) Comportamentos e interesses restritos e estereotipados. Os déficits comportamentais dentro dessas duas áreas envolvem dificuldades em manter e iniciar interação social, dificuldade em perceber emoções e interesses de outras pessoas, dificuldade em se comunicar, pouco contato visual, interesse em partes específicas de objetos, interesse restrito em assuntos específicos, estereotipias, rituais, entre outros. A causa exata do TEA ainda é desconhecida, mas estudos já mostraram que é multifatorial, existindo causas genéticas e ambientais.

O indivíduo com autismo não aprende da mesma forma que os neurotípicos. Eles apresentam dificuldades em entender comunicação verbal e não verbal, apresentam muitas vezes uma alteração sensorial e essa variação pode depender de com quem ele está e onde ele está.

A terapia ABA (Applied Behavior Analysis) tem como objetivo identificar, através de uma avaliação, as principais dificuldades do indivíduo com TEA e estruturar treinos para desenvolver as habilidades. Também é objetivo da intervenção realizar treinos com os cuidadores para que estes possam aplicar as habilidades desenvolvidas, tornando a aprendizagem generalizada para o dia a dia do indivíduo. A terapia ABA tem trazido grandes resultados cientificamente comprovados e com uma intervenção sistemática e intensiva, os dados mostram a redução de comportamentos disruptivos, como o heteroagressão, autoagressão, frustração e autoestimulação. Além da intervenção clínica que pode ser feita em casa ou em consultório junto a terapeutas comportamentais, nota-se a importância da extensão para os demais ambientes da criança, como por exemplo a escola, para que se promova a generalização dos comportamentos treinados e aprendidos em terapia.

Características da Intervenção:

A intervenção tem como objetivo desenvolver e aprimorar as habilidades a partir de uma avaliação, envolvendo os aspectos cognitivos, comportamentais e sociais de cada caso, realizada por meio da coleta de informações com diferentes informantes, observações e aplicação de protocolos padronizados para essa população. Após essa avaliação detalhada são identificados comportamentos-alvo e são elaborados programas individualizados. Esses programas visam ampliação de repertórios para que a criança adquira comportamentos que a auxiliarão na sua socialização, inclusão escolar e no mercado de trabalho, além da qualidade de vida pessoal e familiar.
A modelo de atendimento conta com uma equipe composta por estagiários, terapeutas comportamentais e um supervisor. Os atendimentos são realizados, de acordo com cada caso, à domicílio, nas dependências do Interac ou em locais específicos, dados os comportamentos a serem desenvolvidos.

Coordenação e supervisão: Fabiana Bertoni Zerbinatti

Equipe:
Karen Morais
Lorena Lott Martins

“O comportamento socialmente habilidoso é esse conjunto de comportamentos emitidos por um indivíduo em um contexto interpessoal que expressa os sentimentos, atitudes, desejos, opiniões ou direitos desse indivíduo, de um modo adequado à situação, respeitando esses comportamentos nos demais, e que geralmente resolve os problemas imediatos da situação enquanto minimiza a probabilidade de futuros problemas”

Caballo, 1986

Ter sucesso nas interações com as pessoas requer um tipo de competência social que começa a ser desenvolvida no contato com pessoas significativas na infância, mas que permanece em desenvolvimento na adolescência e vida adulta. Nem sempre o ambiente natural tem condições de favorecer esse desenvolvimento de forma adequada, considerando as tendências e diferenças individuais entre as pessoas. Pensando em suprir os déficits comportamentais dessa natureza, a área da Psicologia que estuda as Habilidades Sociais, constantemente investiga meios de ensinar comportamentos fundamentais para se ter relacionamentos interpessoais satisfatórios. Os profissionais do INTERAC constantemente buscam atualização sobre as melhores estratégias para desenvolvimento de Habilidades Sociais (Social Skills Training) de crianças, adolescentes e adultos. Os atendimentos com esse objetivo podem ser realizados individualmente ou em pequenos grupos. Para maiores informações, entre em contato por telefone ou e-mail.

O estresse pode ser definido como um estado de tensão que causa uma ruptura no equilíbrio interno do organismo (Lipp, 2001). Geralmente está associado à vivência de situações novas que se apresentam, ou contextos em que nos sentimos incapazes de tolerar, reagir, enfrentar dificuldades.

Podemos ainda nos submeter ao estresse por motivos relacionados à uma expectativa de desempenho muito elevada, que às vezes impomos a nós mesmos.

A exposição prolongada ao estresse pode enfraquecer a resistência física e mental do organismo, criando ocasião para o desencadeamento de algumas doenças que podem ter seus sintomas agravados por questões emocionais. Dentre elas se encontram as doenças gástricas e intestinais crônicas, cefaléias, dermatoses (vitiligo, psoríase, dermatite atópica), doenças respiratórias crônicas (asma), fibromialgia, entre outras.

O INTERAC oferece atendimentos específicos para pessoas que sejam portadoras dessas doenças, buscando compreender os fatores relacionados à melhora/piora de sintomas. Objetiva-se ainda instrumentar o cliente e sua família quanto às mudanças de hábitos ou aquisição de comportamentos que podem ser necessárias para assegurar uma melhor qualidade de vida. Para maiores informações, entre em contato por telefone ou e-mail.

A dependência química é uma doença crônica e recorrente, resultante de uma interação de efeitos prolongados da droga no cérebro, ocasionando danos muitas vezes irreversíveis. O contexto social, a família, seus hábitos e valores estão diretamente relacionados à ocorrência e manutenção da dependência química. Por essa razão, para pessoas que desejam abandonar o uso de álcool ou drogas, o Interac oferece atendimentos em terapia comportamental e cognitiva não só para o próprio dependente, mas procura também envolver todo o sistema familiar no tratamento.

Temos parceria com psiquiatras especialistas que se responsabilizam pela parte médica do tratamento, o que muitas vezes se faz necessário. O programa envolve sessões de psicoterapia individual e muitas vezes sessões de atendimento familiar. Quando há indicação, incentiva-se ainda a participação em grupos de autoajuda ou com enfoque religioso.

Profissionais que oferecem esse serviço:

Cláudia Filgueira

Cristiane Oliveira

Thais Vilela dos Reis

Valdemir Polidorio Euzebio