Workshop de ACT no Interac

Workshop de ACT no Interac

2 years ago 0 1319

No próximo dia 27 de agosto o Interac promoverá um workshop sobre ACT (Acceptance and Commitment Therapy), ou  Terapia de Aceitação e Compromisso, que faz parte da terceira onda das terapias comportamentais/cognitivas. A ministrante do curso é a profa. Ms. Desirée Cassado, que é referência no trabalho com ACT no Brasil. Público-alvo: psicólogos e alunos de 5º ano de Psicologia. Vagas limitadas. Para se inscrever entrar em contato por email (contato@interac.com.br) ou pelo telefone: 3913-7128.

Terapia Comportamental Dialética: Curso com Jan Leonardi

2 years ago 0 1642

O Interac oferecerá pioneiramente um curso de 16 horas sobre Terapia Comportamental Dialética (DBT – Dialectical Behavior Therapy) com o prof. Dr. Jan Leonardi, que atualmente é um dos profissionais mais especializados no assunto no contexto brasileiro. O curso é voltado para psicólogos clínicos comportamentais e psiquiatras. Será uma grande oportunidade de atualização para os psicoterapeutas que trabalham com pacientes adultos especialmente. A DBT é a abordagem de escolha para casos difíceis, tais como transtornos alimentares, dependência química e transtorno de personalidade borderline. O curso acontecerá em 30/07 e 13/08, interessados podem entrar em contato pelo email: contato@interac.com.br.

Os efeitos do sorriso

3 years ago 2 911

As informações ao nosso redor são, em geral, processadas de duas formas: uma mais fluida, intuitiva e com menor esforço de raciocínio, e a outra de forma mais controlada, na qual avaliamos o máximo de prós e contras. Quando estamos de bom humor, favorecemos as avaliações mais fluidas. O bom humor significa que estamos em um ambiente agradável, satisfeitos com nossos pares e temos uma sensação de bem-estar. Esse conjunto de fatores contribui para o que chamamos de “conforto cognitivo”, dessa forma interpretamos o mundo a nossa volta com maior facilidade, de forma mais intuitiva e com uma sensação positiva. Ainda que não estejamos atentos, estados de bom humor e afetos positivos favorecem o sorriso, a confiança e a criatividade. O sorriso, como um movimento muscular facial, também realiza uma função de informação: quando sorrimos mais, mandamos mensagens ao nosso cérebro de que estamos bem e que o nosso ambiente

Read more

Por que fazer psicoterapia?

4 years ago 0 2087

A resposta para essa pergunta se encontra na avaliação que fazemos de nossa qualidade de vida e na idéia que temos sobre para que serve a psicoterapia. Sob a ótica da Análise do Comportamento, fazer psicoterapia é submeter a própria vida, o próprio comportar-se, a um tipo de consultoria externa especializada. Em outras palavras, o terapeuta utiliza de referencial teórico específico – a ciência do comportamento – para analisar fatos da vida do cliente que estão relacionados com as suas queixas. Essa análise é funcional, no sentido em que, provavelmente, o que está presente hoje na vida do cliente exerce alguma função específica, por essa razão, continua a existir e por isso talvez o cliente sozinho ainda não tenha conseguido solucionar a questão e necessite de um especialista. A psicoterapia, nesta abordagem, é essencialmente voltada para objetivos tangíveis, acordados entre terapeuta e cliente já nas primeiras sessões. Procura-se em todos os casos identificar as variáveis responsáveis pelas queixas apresentadas e quais os comportamentos-alvo para intervenção, buscando a aquisição de novos repertórios de comportamentos (agir, pensar, sentir) que possam ser mais adaptativos ao contexto de vida do cliente. Por essa razão, na maior parte das situações em que há uma real motivação por parte dos envolvidos, os resultados são obtidos em poucas sessões. Os atendimentos em geral são realizados individualmente, mas há programas específicos para desenvolvimento de novos comportamentos que podem ser realizados em grupos.

 

Fabíola Serpa, psicóloga da equipe INTERAC